Remuneração é o principal fator para trocar de emprego, aponta LinkedIn

mm

Ramos de Souza Janones

Janones, é um empreendedor brasileiro apaixonado por empreendedorismo e tecnologia. Ao longo dos anos trabalhando com o desenvolvimento de softwares desktop desde a linguagem Clipper, passando pelo Delphi e atualmente com Java.

Optou pela formação de Publicidade e Marketing por sua segunda empresa de tecnologia ter participado do "boom" da internet nos anos 90 e na procura de melhorar seus conhecimentos em negócios.

Em razão da principal formação e profundos conhecimentos em programação e banco de dados, é capaz de realizar o desenvolvimento de aplicativos web, desktop e mobile com maior criatividade e inovação que profissionais de desenvolvimento com uma formação única e mais especifica, dedicada somente ao desenvolvimento de softwares.

Com toda sua experiência com empresas de software, sua formação e paixão por negócios escreveu o livro "Marketing para Empresas e Profissionais de Software", publicado pela editora carioca Ciência Moderna em 2012. Além de outros livros sobre programação.
mm

Pesquisa da rede social indica como outros pontos de destaque desenvolvimento profissional (43%) e oportunidades de avanço na carreira (41%)

O que o levaria a trocar de emprego: Um bom ambiente de trabalho? Novos desafios? Flexibilidade de horário? De acordo com um levantamento realizado pelo LinkedIn, a “remuneração” lidera a lista de motivos que fariam com que uma pessoa a aceitasse um novo trabalho.

O quesito foi apontado quase metade (49%) dos participantes do estudo “Tendências de Talentos 2015”, conduzido pela rede social. O fator financeiro vem seguido por temas como desenvolvimento profissional (43%) e oportunidades de avanço na carreira (41%).

Outro ponto relevante é a negociação salarial. A maioria dos profissionais (60%) confia em seu próprio discernimento para determinar um salário justo enquanto quase metade dos profissionais (49%) define os patamares a parit de um ajuste percentual frente ao cargo anterior.

 

Já no processo de seleção, quase todos os profissionais se sentem inseguros em relação ao cargo e a empresa antes da entrevista, quer a vaga tenha ou não sido bem divulgada. Porém, a grande maioria afirma que uma experiência positiva na entrevista pode mudar sua opinião sobre o cargo ou a empresa (87%).

Além disso, os candidatos consideram a experiência na entrevista um fator essencial na decisão de se juntar a empresa ou continuar na jornada a procura de um emprego (77%). Após o processo seletivo, quase todos os brasileiros desejam receber feedback sobre a conversa que tiveram com o recrutador (94%).

Outro dado relevante da pesquisa é que quase todos os entrevistados consideram que ser contatados pelo futuro gerente, ou pelo recrutador, pode fazê-los aceitar uma oferta de emprego com mais rapidez (94% e 89%, respectivamente).

Considerando o fato que 85% dos brasileiros têm interesse no contato de um recrutador ou headhunter, 7% a mais que a média mundial, o LinkedIn pontua ainda que os talentos investem tempo em atividades que fortalecem as suas trajetórias profissionais e aumentam suas oportunidades de carreira, como por exemplo a atualização do currículo (39%), atividades de networking profissional (38%) e atividades de desenvolvimento profissional – como aprender uma nova competência (33%).

O levantamento contou com a participação de mais de 20 mil profissionais entrevistados em 29 países, sendo 660 deles brasileiros. A pesquisa tem como objetivo entender o comportamento dos candidatos em cada etapa do processo seletivo.

E no Brasil?

Como destaque nota-se que, em comparação à média global (70%), os brasileiros são candidatos mais passivos (77%), ou seja, não estão ativamente procurando emprego, mas aceitariam conversar com recrutadores para obter mais informações sobre novas oportunidades.

Ao procurar por outras oportunidades de emprego, um dado que chama a atenção é que mais da metade dos brasileiros contam com a ajuda de colegas e amigos (55%).

Entretanto, o Brasil é o quarto país no mundo onde os trabalhadores mais usam redes sociais profissionais para descobrir novas oportunidades (63%), atrás apenas da Espanha (70%), Chile (68%) e Cingapura (63%). Além disso, os brasileiros também utilizam sites de empregos na internet (59%).

Compartilhe.

PinIt
Top