Amazon Fire TV Stick: a melhor alternativa ao Chromecast

Amazon Fire TV Stick: a melhor alternativa ao Chromecast

30 de agosto de 2018 0 Por Ramos de Souza Janones
Powered by Rock Convert
Do Zero ao Profissional com PHP. Mais de 2.300 alunos recomenda.Powered by Rock Convert

Depois do Kindle, a Amazon inaugura mais uma grande linha de produtos no mercado brasileiro: Fire TV. O primeiro modelo a desembarcar no país é o Fire TV Stick, um dispositivo compacto que se conecta a uma TV para fazer streaming de conteúdos do Prime Video, Netflix, YouTube e outros serviços, em destaque o Amazon Prime Videos, concorrente ao NetFlix com muitas produções próprias muito boas.

Custando R$ 289, ele concorre em preço com o Chromecast e possui um formato que lembra o gadget do Google, mas tem diferenças importantes: é totalmente independente do smartphone, acompanha um controle remoto e apresenta uma interface completa, bem parecida com a que encontramos em Smart TVs.

Vale a pena? Eu passei os últimos dias com o Fire TV Stick e conto tudo nos próximos minutos.

O Fire TV Stick (na verdade, Fire TV Stick Basic Edition) lançado no país é o mais simples da família. Nos Estados Unidos, a Amazon também comercializa uma variante com a assistente pessoal Alexa, além de um modelo mais completo, chamado simplesmente de Fire TV, que é capaz de reproduzir conteúdos em 4K e tem hardware mais potente.

A grande diferença entre o Chromecast e o Fire TV Stick é que, enquanto o primeiro funciona como um retransmissor, recebendo comandos do smartphone e fazendo streaming da internet, o dispositivo da Amazon é totalmente independente, com uma proposta mais parecida com a da Apple TV (só que mais simples e custando um quarto do preço).

A instalação é simples: basta conectar o Fire TV Stick a uma entrada HDMI (há um cabo extensor incluso, se você não tiver muito espaço na traseira do televisor) e um cabo de alimentação na porta Micro USB. A Amazon manda um adaptador de tomada de 9 watts, mas a entrada USB da minha TV foi suficiente para energizar o dispositivo. Depois de fazer login na sua conta da Amazon, ele está pronto para ser utilizado.

LEIA TAMBÉM:  Realidade Aumentada - O guia

Todos os comandos são feitos pelo controle remoto, que funciona com duas pilhas AAA. A interface é dividida em três abas: Tela inicial, que mostra aplicativos, jogos, filmes e séries; Categorias, com recomendações de conteúdos sobre esportes, música, viagem e outras seções; e Configurações, onde é possível se conectar à rede Wi-Fi e acessar recursos bacanas que comentarei adiante.

O que é legal?

O Fire TV Stick é prático. Ele não exige um smartphone para nada, por isso, nenhum membro da família precisa instalar um aplicativo ou aprender a se conectar ao dispositivo. O aplicativo para Android e iOS é basicamente uma versão virtual do controle remoto físico. A vantagem em instalá-lo é poder digitar com o teclado do smartphone (em vez de cansar os dedos apertando teclas direcionais).

Isso também significa que um dos problemas mais irritantes do Chromecast deixa de existir: meu smartphone frequentemente perde a conexão com o set-top box do Google, o que dificulta pausar ou avançar um vídeo, por exemplo. Além disso, é possível navegar no catálogo da Netflix ou nas suas inscrições do YouTube diretamente na TV, o que é mais confortável do que na tela pequena do celular.

Outro fator bacana é que o Fire TV Stick é bem “hackeável”. Por rodar Fire OS, o Android modificado da Amazon, ele é compatível com vários aplicativos da plataforma do Google. Há quem instale softwares como o media center Kodi ou emuladores de games, aproveitando o fato de que é possível conectar um gamepad por Bluetooth. Mas, na prática, não é preciso fazer nenhuma gambiarra para ter uma boa experiência.

LEIA TAMBÉM:  Drops Javascript - Operador condicional ternário if/else com “?” e “:”

Falando em games, há uma grande seleção para o Fire TV Stick, incluindo Asphalt 8: AirbornePac-Man 256Lego Mighty Micro e Flappy Birds, que podem ser boas opções para passar o tempo (ou quando a internet estiver ruim para ver Netflix). O catálogo também conta com títulos como Sonic The HedgehogCarmageddon e Grand Theft Auto: Vice City, mas eles são pagos e exigem um joystick conectado.

Vale a pena?

Sim, se você souber das limitações dele. Eu gostei do Fire TV Stick no que ele se propõe a fazer de melhor: transmitir conteúdo por streaming do Prime Video, Netflix, YouTube, Spotify e outros serviços. Na verdade, para essa tarefa, ele é melhor que o Chromecast, já que não exige um smartphone, não perde sincronia e tem um controle remoto que funciona muito bem.

Onde comprar?

Diretamente no site da própria Amazon, aqui.

Na prática, o Fire TV Stick é uma Smart TV que você pode levar para qualquer lugar. Depois de configurado, basta ter um televisor com entrada HDMI e uma conexão Wi-Fi para aproveitá-lo. Ele quase não tem serventia para quem já possui uma Smart TV com sistema operacional decente (caso dos modelos mais novos com Tizen e webOS), mas pode ser um companheiro em viagens ou para fazer um belo upgrade na TV antiga.

Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert
Powered by Rock Convert

Ramos de Souza Janones

Janones, é um empreendedor brasileiro apaixonado por empreendedorismo e tecnologia. Ao longo dos anos trabalhando com o desenvolvimento de softwares desktop desde a linguagem Clipper, passando pelo Delphi e atualmente com Java.

Optou pela formação de Publicidade e Marketing por sua segunda empresa de tecnologia ter participado do "boom" da internet nos anos 90 e na procura de melhorar seus conhecimentos em negócios.

Em razão da principal formação e profundos conhecimentos em programação e banco de dados, é capaz de realizar o desenvolvimento de aplicativos web, desktop e mobile com maior criatividade e inovação que profissionais de desenvolvimento com uma formação única e mais especifica, dedicada somente ao desenvolvimento de softwares.

Com toda sua experiência com empresas de software, sua formação e paixão por negócios escreveu o livro "Marketing para Empresas e Profissionais de Software", publicado pela editora carioca Ciência Moderna em 2012. Além de outros livros sobre programação.

Últimos posts por Ramos de Souza Janones (exibir todos)