Gerente de Projetos pode melhorar a saúde mental da equipe

Gerente de Projetos pode melhorar a saúde mental da equipe

28 de setembro de 2019 0 Por Ramos de Souza Janones
Powered by Rock Convert

Como os gerentes de projetos podem aplicar as melhores práticas para aumentar a conscientização e gerenciar a saúde mental do time de desenvolvedores.

De acordo com uma recente revisão literária realizada pelo Institute for Employment Studies (IES) e o Rail Safety and Standards Board (RSSB) sobre treinamento em conscientização da saúde mental, ainda não está claro para organizações e gerentes quais são as melhores práticas para aumentar a conscientização e gerenciar a saúde mental no local de trabalho.

Hoje em dia a facilidade com que os locais de trabalho mais modernos abraçam conversas sérias e empáticas sobre saúde mental é motivo de comemoração, quando comparado com uma década atrás. Isso não evidencia que a luta contra a ignorância e o estigma acabaram, apenas mostra que ainda há muito o que fazer.

Na revisão foi identificado que não há dados suficientes para verificar as melhores maneiras de criar melhorias de médio a longo prazo na conscientização em saúde mental e nem as melhores maneiras para os gerentes conseguirem esses dados junto com sua equipe. Isso os levou a iniciarem seu próprio estudo aleatório para tentar responder a essa questão. Stephen Bevan, chefe de desenvolvimento de pesquisa na IES, e Sally Wilson, pesquisador sênior na IES, escreveram um artigo explicando suas preocupações.

O Agile e as transformações digitais trouxeram o foco para a psicologia individual e da equipe nos locais de trabalho. Muitos gerentes se utilizam dos conhecimento adquiridos em bestsellers como Thinking Fast and Slow e Drive, e em ambos, destaca-se a importância da psicologia para a performance de uma equipe. Numa olhada rápida, na primeira página das palestras do Agile2019, evidencia-se a ênfase na saúde física e mental para equipes do setor de tecnologia, três títulos relacionados sobre o assunto se destacam “Empathy: A Keystone Leadership Habit“, “My So-Called Agile Life (as seen through my Fitbit)“, e “More about Thinking Fast and Slow“.

Também evidencia-se um aumento do interesse na saúde mental por parte dos governantes ao redor do mundo, que frequentemente incluem o assunto em legislações de saúde e segurança no local de trabalho. No Reino Unido, o governo encomendou uma pesquisa independente sobre saúde mental nos locais de trabalho, e identificou, o gerenciamento de pessoas, como um item essencial que as organizações devem conhecer.

Curso completo de Games, inclusive Realidade Aumentada.Powered by Rock Convert

A IES está preocupada com a Mental Health First Aid (MHFA), um treinamento conceitual e popular sobre saúde mental, por não haver pesquisa suficiente que justifiquem a popularidade e o uso no Reino Unido. Especialmente depois do treinamento ter sido liberado para ser ministrado dentro do Reino Unido.

Leia também:  

A IES está atualmente realizando uma investigação aleatória para identificar se outras formas de treinamento para gerentes sobre cuidados na saúde mental podem gerar melhores resultados a médio e longo prazo.

Nataly Bovopoulos, ex-CEO da MHFA, em um artigo publicado no Linkedin, admite que são necessárias mais pesquisas, mas indica que a MHFA pode proporcionar ganhos comprovados na capacidade e conhecimento dos gerentes de projetos para lidar com problemas de saúde mental, pelo menos a curto prazo. Ela afirma que MHFA:

O curso conduz os participantes a um aumento no conhecimento, habilidades e atitudes mesmo após seis meses de treinamento. Os participantes também reportam que utilizam as habilidades adquiridas para ajudar pessoas com as quais se preocupam.

 » Programação » Agile

Siga os bons!

Ramos de Souza Janones

Janones, é um empreendedor brasileiro apaixonado por empreendedorismo e tecnologia. Ao longo dos anos trabalhando com o desenvolvimento de softwares desktop desde a linguagem Clipper, passando pelo Delphi e atualmente com Java.

Optou pela formação de Publicidade e Marketing por sua segunda empresa de tecnologia ter participado do "boom" da internet nos anos 90 e na procura de melhorar seus conhecimentos em negócios.

Em razão da principal formação e profundos conhecimentos em programação e banco de dados, é capaz de realizar o desenvolvimento de aplicativos web, desktop e mobile com maior criatividade e inovação que profissionais de desenvolvimento com uma formação única e mais especifica, dedicada somente ao desenvolvimento de softwares.

Com toda sua experiência com empresas de software, sua formação e paixão por negócios escreveu o livro "Marketing para Empresas e Profissionais de Software", publicado pela editora carioca Ciência Moderna em 2012. Além de outros livros sobre programação.




Frontend Do Zero Ao Profissional